21 decretos 

honrando a sua historia

com Marcia Moraes e Elke Hipolito

Seja Bem Vindo ao corredor da sua vida.

Sim, corredor.

Imagine um corredor com várias portas do lado direito e do lado esquerdo.

As portas do lado direito são incolores, conforme a sua caminhada neste corredor você vai pintado cada porta com a frequência que irradia.

Irradiação, tudo vibra, porque tudo é energia, você é um campo de energia revestido por uma parte fisica (matéria) que não é estática.

Suas emoções, seus pensamentos, os órgãos do seu corpo vibram uma energia colorida.

Então, voltando para imaginar você andando por um corredor, temos portas de todas as cores dos dois lados, eu disse todas as cores inclusive, preto, cinza ou até incolores, que por alguma razão você não deixou marca nesta caminhada.

Do lado esquerdo as portas são todas da cor preta.

Qual lado deste corredor você gostaria de abrir as portas?

Pense.

Imagine.

Você sabia que a palavra preto/preta vem do latim pressus, que significa comprimido, apertado, e que vem da ideia de que o preto comporta uma mistura de todas as cores, ou seja, de que todas as cores estão comprimidas para formar a cor preta?

Entretanto, basta misturar, o azul, amarelo e vermelho que irá conseguir a cor preta, uma técnica usada por pintores e artistas plásticos. Para alguns a cor preta não é uma cor, mas sim ausência de cor e outros identificam com a ausência de luz, ou a escuridão.

E eu imagino que tenha escolhido no exercício abrir as portas do lado direito, mas se eu dissesse que essa simbologia do corredor da vida e as portas, representam a sua história?

Não identificar seus medos, seus bloqueios e desequilíbrios traz uma inconsciência do poder de transmutação que possui.

Quantas vezes você caminhou e gostaria que as portas já estivessem abertas para entrar?

As tais facilidades na vida.

Ah, como seria maravilhoso, se todas as nossas portas fossem coloridas e belas como as flores em um jardim.

Mas não é assim, a história da humanidade conta que Sócrates, no Templo de Delfos, propôs essa prática de se auto perceber, a fim de conhecer a si mesmo, olhar para dentro de si, para o tão sonhado equilíbrio.

Essa proposta mudou toda uma linha de filosofia que até então só se concentrava no mundo exterior.

Buscamos o tempo inteiro a integração perfeita como o mundo exterior, e o que existe para nós no mundo exterior?

Nada, porque somos uma matéria finita neste mundo.

Tudo aquilo que derruba o contato com o nosso equilíbrio interno, está no externo, é a dor e o sofrimento.

Internamente o processo de autoconhecimento é contínuo e interno, pois proporciona, além do conhecer a si mesmo, a autocura, o auto perdão, e muitos outros benefícios a partir do contato com suas respostas interiores, para libertação do passado.

Morrer para pessoa que és hoje.

Você não pinta seu caminho pelo que conquista, mas o que é e como é o seu sentimento, o seu real ser na vida. são reflexos do seu interior.

Assim cada porta incolor que se apresentar em sua caminhada você terá a sapiência de pintá-las ou aceitar a cor, tomar consciência do seu estado atual, proporcionar a chance de reconhecer seus pontos fortes, os de melhoria, suas expectativas, bem como as oportunidades, fatores limitantes e outros aspectos, que impedem a sua auto reflexão, do que deve ser trabalhado para que possa alcançar a resposta:

Para onde estou indo?

Quando olha para dentro de si, é capaz de reconhecer suas qualidades que ninguém vêm e suas falhas, que todos falam, tornando mais tolerante em relação às pessoas e a si mesmo, dando oportunidade para o seu mundo interior dar vazão para engrandecer o que és, dando espaço e jogando fora o que não é proveniente da sua Memória da Luz.

Quando você nasce, a consciência é na escuridão, conforme vai desenvolvendo o seu Ser, pode ou não sair desta escuridão.

O ser deseja caminhar e um campo florido e perfumado, mas é chamado a andar por caminhos novos, é chamado a descobrir o diferente e dentro do mundo de incertezas que podemos ver as portas pretas como a maior força existente em nós: A auto transformação!

Como entender a complexidade do seu pensamento humano, senão percorrer o caminho desconhecido? 

Cada ser é uma livre explicação de si mesmo. 

As portas da direita podem já estar pintadas por crenças, leis, conhecimentos do sistema, mas você é chamado a abrir com o seu experimentar e vivenciar com equilíbrio todas as portas quantas puder, descobrir o maravilhoso mundo da inteligência interior.

Cada homem, cada mulher são destinatários da curiosidade, espectadores e agentes no Universo da liberdade. Somos entusiastas de nós mesmos, ordenadores de nossas ideias.

A todo o momento você é chamado a descobrir novas fronteiras a ultrapassar, a sair de seu comodismo mental, a desafiar aquilo que é difícil dentro da sua zona de conforto.

A zona de conforto é permeável, qualquer processo do passado penetra, e para ser impenetrável precisa crer no hoje que é sempre melhor que ontem.

A proposta destes 21 Decretos, é uma jornada mundo adentro, onde irá  se tornar um Mandaleiro, e pintar com as cores que intuir sua Mandala, para que vibre uma energia com as cores escolhidas, com amorosidade, paciência, introspecção, e serventia ao seu momento presente.

E cada decreto que firmar, terá a ligação com a Egrégora Cria ti na Luz e o seu Grupo Espiritual, Aqueles que te guiam, auxiliam e te protegem, para que amplie a sua vibração e tenha mais ciência de si.

Somos enigmáticos senhores de nós mesmos, e os nossos desafios muitas vezes são dolorosos, mas não impossíveis de mudanças.

Um dos objetivos da Egrégora Cria ti na Luz, é de fazer do Ser um atuante idealizador e despertar nele uma recordação de seus conhecimentos, para honrar tudo o que passou no passado.

Está na Alma de cada um a idéia de descobrir as suas potencialidades. 

Formas de Pagamento

O valor do Curso é R$107,00 (PagSeguro ou Paypal)

Parcele até 12X no cartão pelo pagseguro. 

Após realizar o pagamento, entraremos em contato com você por e-mail.

Esse curso não possui área do aluno.

Os conteúdos e desafios, serão passados pelo grupo do whatsapp.